Assimetrias Cranianas

A cirurgia aberta de cranioestenose é um procedimento assustador não só para os bebês, mas principalmente para os familiares.

 

A cirurgia aberta de cranioestenose é um procedimento assustador não só para os bebês, mas principalmente para os familiares.

A notícia em si de operar um bebezinho, pode ser um fator que envolva tanto o apoio familiar, quanto a confiança dos profissionais que irão realizar a cirurgia e aqueles que irão ficar com os cuidados na UTI e/ou enfermaria.

É importante que todas as dúvidas sejam esclarecidas com o profissional que irá realizar a cirurgia ANTES dela acontecer. Podem ser perguntas bobas, mas irão amenizar o medo que os familiares sentem na hora da cirurgia.

Em geral, as cirurgias acontecem da seguinte maneira: o bebê é internado um dia antes ou no mesmo dia dependendo do horário da cirurgia. Acessos venosos em geral, são puncionados pelo anestesista dentro da sala cirúrgica. Este é um processo que pode levar um tempo, pois com o jejum, as veias ficam mais difíceis de serem pegas.

 O jejum é necessário para evitar que os bebês broncoaspirarem (quando vai líquidos para os pulmões). Por isso, por pior que seja para uma mãe ver o filho de jejum por tantas horas, é importante respeitar as horas determinadas sem comer ou beber líquidos, incluindo água. Caso necessário, o médico irá solicitar um soro na veia para que o bebê não desidrate.

Uma das maiores preocupações é em relação à amamentação, por isso, é importante verificar o horário que será realizada a cirurgia, para que a última mamada seja oferecida até o último horário antes do jejum. Após a cirurgia, os bebês ficam sonolentos e doloridos, dificultando ainda mais a amamentação. Os medicamentos analgésicos são prescritos justamente para evitar qualquer dor desnecessária, mas ainda assim, pode ser que os bebês recusem a amamentação. Os controles de glicemia são realizados pela enfermagem, para evitar que os níveis de açúcar do sangue caiam. É importante que a mãe oferte a mamadeira, mas alguns hábitos alimentares podem mudar nos primeiros dias após a cirurgia. Converse com a equipe de enfermagem para receber orientações sobre quando amamentar e como.

As fezes também podem ter alguma alteração, já que os hábitos alimentares mudaram, podendo ficar mais líquido se o bebê estiver apenas recebendo hidratação do soro.

Outros cuidados em relação ao curativo serão informados pelo médico, assim como os cuidados com o inchaço da cabecinha e dreno.

Todas essas mudanças, contudo, vão se normalizar e amenizar com os dias. O mais importante, é oferecer conforto e proteção, pois assim como vir ao mundo é algo novo, realizar uma cirurgia é um outro passo gigantesco para o bebê.

Lembre-se que apesar de ser um processo difícil, os bebês se recuperam muito rápido e com certeza a cirurgia é necessária para o desenvolvimento e bem-estar deles.

Hospitais cadastrados