Blog

Os tumores cerebrais representam a segunda mais comum causa de neoplasias (tumores malignos) da faixa etária pediátrica, perdendo apenas, para os tumores de ordem hematológica.

Há a predominância de aparecimento entre a faixa etária dos 3-5 anos podendo entretanto acometer desde recém-nascidos até a adolescência. De uma maneira geral quanto mais precoce é a apresentação clínica mais agressiva é a evolução da doença. Dentre as diferentes patologias possíveis podemos citar os meduloblastomas, ependimomas, astrocitomas, teratoma rabdóide, gangliogliomas, dentre outros...

Apresentação clínica:

Podemos aqui diferenciar a apresentação clínica conforme a faixa etária do paciente em questão. Há sintomas gerais, independente da idade, que podem aparecer como náuseas, vômitos, dificuldade de ingesta alimentar, alteração de comportamento, estrabismo etc... As crises convulsivas cursam com os diferentes tipos de tumor nas diferentes faixas etárias, podendo ser desde crises focais com abalos involuntários de um dos dois membros do mesmo lado, crises generalizadas como habitualmente encontradas nas crises tônico-clônico generalizadas com abalos dos quatro membros, crises temporais com comportamentos involuntários oro-mastigatórios e posicionamentos estranhos do crânio em membros superiores e outras. Quando discriminado por faixa etária temos:

  • Recém-nascidos: aumento do perímetro cefálico, perda de tônus com corpo molinho, moleira abaulada, atraso do desenvolvimento neuro-psicológico, perda de contato visual, má aceitação de dieta, choro fácil, irritabilidade...
  • Lactentes: aumento do perímetro cefálico, atraso do desenvolvimento neuropsicológico, atraso ou regressão de ganhos motores, atraso no desenvolvimento de linguagem, irritabilidade, dor de cabeça, embaçamento e dificuldade visual, regressão de controle esfincteriano...
  • Pré-escolares e Escolares: Dor de cabeça, embaçamento e dificuldade visual, perda de ganhos motores, adormecimentos/formigamentos no corpo, estatura alterada com crescimento retardado ou demasiadamente acelerado, mudança de comportamento com agressividade ou comportamento desinibido e inapropriado, cansaço exagerado e necessidade de repouso frequente...

 

Diagnóstico e Tratamento:

O exame clínico e neurológico bem como a faixa etária de apresentação são ferramentas importantes no diagnóstico, favorecendo de sobremaneira, a definição de provável lesão tumoral na faixa etária pediátrica. A realização de recursos auxiliares como tomografia de crânio, ressonância magnética e, em idades abaixo de 12 meses, ultrassonografia de crânio ou até ultrassonografia pré-natal quando do diagnóstico pré-natal. Tais exames conseguem comprovar o diagnóstico e auxiliam a definição e programação do tratamento que geralmente é cirurgia seguida ou não de radioterapia e quimioterapia. Inúmeros recursos podem ser atualmente disponibilizados para o tratamento de tais lesões favorecendo a possibilidade de retirada completa do tumor bem como preservação da funcionalidade neurológica da criança. Aconselhamento psicológico aos pais e crianças também é de grande importância sendo a depressão muito comum nestes pacientes. Marque uma consulta que podemos auxiliá-los durante o tratamento destas doenças.

imagem tumor cerebral pediátrico1

imagem tumor cerebral pediátrico

Hospitais cadastrados